Morre Jovem Após Ingerir Medicamento Para Emagrecer. Veja a Marca. Saiba mais.

By 08/11/2018Diversos, Saúde

Morre Jovem Após Ingerir Medicamento Para Emagrecer, logo após morte da jovem a Vigilância Sanitária do Piauí determina apreensão de medicamento para emagrecer. Luanna Eufrásio, 23 anos, morreu intoxicada no domingo (4), em Oeiras, e amigos e familiares informaram que ela estava fazendo uso do produto.

O medicamento vendido com nome “Redufite” não tem registro na Anvisa, a Empresa que produz medicamento diz que vítima não tomou o original e teria consumido um produto falsificado.

Os medicamentos “Redufite” e “Redufite Gold” não têm autorização para comercialização e serão apreendidos, segundo informou a Diretoria de Vigilância Sanitária do Estado (Divisa).

“Assim que tomamos conhecimento desse caso, nós enviamos um oficio circular para os municípios para que essa investigação fosse realizada, bem como à Anvisa, Polícia Civil e aos Conselhos de Classe”, disse a diretora da Divisa, Tatiana Chaves.

Até o momento, segundo Tatiane, foram localizadas apenas publicidades na internet sobre o produto, mas o medicamento não foi localizado e nenhuma unidade foi apreendida.

Segundo a Diretoria, em agosto deste ano a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou a Resolução Especifica Nº: 02258/2018, proibindo a “fabricação, distribuição, divulgação, comercialização” e determinando apreensão e inutilização em todo o território nacional das unidades do produto.

Procurada pela reportagem a  Forfarma, empresa que produz o “Redufite Xtreme”, informou que o produto que a jovem tomava não era o original produzido pelo laboratório. A empresa disse ainda que as cápsulas originais contém apenas produtos naturais e que o medicamento clandestino pode conter substâncias sintéticas.

“Nós orientamos que em caso de dúvidas sobre um determinado produto ou medicamento, que a população faça busca frequente nos sites da Anvisa e da Vigilância Sanitária. Lá, são publicados diariamente os produtos irregulares, como medicamentos e cosméticos, através de Resoluções Especificas para cada produto”, orientou a diretora.

Fonte G1